ESTUDOS

VEJA OS
Depoimentos

Méd. Vet. Vanessa Schlichta

Realizei o curso de Vídeo Endoscopia da Ultramedic em 2015 e logo após adquiri o equipamento para uso em pequenos animais. Estou satisfeita com os resultados obtidos e pretendo continuar investindo e me aprimorando nessa especialidade.

LEIA MAIS  ›

TRABALHE
CONOSCO

Entre em contato conosco sobre oportunidades na área de diagnóstico por imagem.

CADASTRE-SE  ›

Imagem Harmônica - o que significa, como funciona?

Resumo: Imagem harmônica é uma técnica em ultrassonografia que proporciona imagens de melhor qualidade comparado com a técnica convencional do ultrassom.

Princípio físico: A imagem harmônica explora a propagação não linear do ultrassom através dos tecidos do corpo. A porção de alta pressão das ondas viajam mais rapidamente que as de baixa pressão, resultando em distorção no formato das ondas. Essa mudança na forma das ondas resulta na geração dos harmônicos (que são múltiplos da frequência fundamental) nos tecidos.

A imagem harmônica tecidual pode ajudar em pacientes com dificuldade técnica, por exemplo, pacientes com janela não favorável, pacientes acima do peso, ou ainda durante o uso de transdutores com frequência fundamental muito baixa.

Vamos imaginar um transdutor com frequência fundamental baixa, por exemplo de 2MHz. Os cristais do transdutor são estimulados eletronicamente e transmitem uma frequência "fundamental" de 2MHz. Essa frequência fundamental entra no corpo e gera o eco através do atrito com os órgãos. Esse mesmo transdutor agora estará aguardando o eco para começar o processo de digitalização e formar a imagem no monitor. Esse eco é recebido na mesma frequência transmitida, no caso desse exemplo, 2MHz. Esse ciclo ocorre muito rapidamente e poderemos falar sobre isso em outra abordagem. A questão fundamental aqui é que a frequência transmitida e recebida (eco) estão na mesma frequência. 

 

 

Os equipamentos que possuem THI (imagem harmônica tecidual), conseguem escutar o eco de uma forma diferente.

Quando transmitimos em 2MHz (frequência fundamental), em função dos princípios físicos citados anteriormente, a frequência harmônica será exatamente o dobro, no caso 4MHz (frequência harmônica). Isso significa que, com THI conseguimos ter simultaneamente a profundidade de 2MHz e a qualidade de 4MHz, ajudando a resolver assim uma limitação técnica do método.

Um dos exemplos mais notórios em ganho de qualidade proporcionado pela imagem harmônica tecidual (THI) que tenho acompanhado é em exames de ecocardiografia, que são exames de ultrassom do coração. Com base na explicação teórica acima fica fácil entender por que. Como sabemos, a frequência do transdutor não consegue atingir dois objetivos ao mesmo tempo: qualidade de imagem e penetração. Quando aumentamos a frequência do transdutor temos melhor resolução (qualidade de imagem) ao mesmo tempo não conseguimos visualizar imagens muito afastadas do transdutor (perdemos a profundidade da imagem); o contrário também é verdadeiro, quando diminuímos a frequência temos melhor visualização em imagens distais porém perdemos capacidade de detalhes.

 

Aplicando o recurso de imagem harmônica conseguimos ter simultaneamente a profundidade de 2MHz e a resolução de 4MHz, graças a um arranjo eletrônico proporcionado pelo equipamento e uma forma diferente de escutar o eco.

 

 

 

Agora vamos pensar em um transdutor com maior frequência, por exemplo, um linear de 10MHz. Transmitindo em 10MHz a THI será de 20MHz. Na minha opinião um transdutor de 10MHz já possui uma resolução muito boa, dessa forma o ganho de 10MHz para 20MHz não é o mesmo proporcionado quando falamos de 2MHz para 4MHz. Não fica tão nítido o benefício.

Se consideramos um transdutor convexo de 3.5MHz e THI de 7.0MHz já passa a ficar interessante novamente.

Resumindo, quanto menor a frequência do transdutor que utilizar, maior será o ganho proporcionado pelo recurso da imagem harmônica. 

 

Publicado por Samir Farah - 20/11/2016

 

Mais de 20 anos de experiência em equipamentos de ultrassom para diagnóstico por imagem:

 

1995/1998 - experiência em manutenção nos equipamentos marca Shimadzu.

 

1998/2005 - experiência em manutenção e aplicação nos equipamentos das marcas Diasonics, Vingmed e GE.

 

2005/2007 - experiência em manutenção, aplicação e área comercial nos equipamentos das marcas Ultrasonix e Sonosite.

 

2007/2010 - experiência em manutenção, aplicação e área comercial nos equipamentos da marca Mindray.

 

2010/2013 - experiência em manutenção, aplicação e área comercial nos equipamentos da marca SIUI.

 

2013/2015 - experiência em manutenção, aplicação e área comercial nos equipamentos da marca Chison.

 

2015/atual - experiência em manutenção, aplicação e área comercial nos equipamentos da marca Ultramedic.

 

Artigo escrito com ajuda das fontes abaixo:

 

https://radiopaedia.org/articles/harmonic-imaging

http://www.neparus.com.br/?ver=noticia&noticia=53

Voltar